Por Elisa Marques

O Final dos Anos 90 foram decisivos para o que alavancar a cultura Otaku no Brasil.

Alias o Termo Otaku, se deu nessa época , em uma publicação da Extinta Animax, a Revista foi uma das pioneiras a tratar especificamente de assuntos relacionados a animes, mangás e cultura pop japonesa.

(Propaganda da Revista Animax)
Diferentemente do ocorrido no Japão, Otaku se tornou a palavra designada tão somente  para identificar  os fãs de Anime e Mangá no Brasil, que abraçaram a ideia.
Com o sucesso dos Tokusatsus os animes começaram a ganhar cada vez mais espaço na televisão aberta.
Em 1993 Saint Seya (Os Cavaleiros do Zodíaco) alcançava recorde de público no país, sucesso que perdura até hoje.
Pegando Carona com e CDZ, foram exibidos, Sailor Moon, Guerreiras Mágicas de Rayearth, Dragon Ball entre outros títulos lembrados com saudosismo.

(produtos de Animes famosos em 90)
Esses animes trouxeram, além de um mercado de produtos e brinquedos, o reconhecimento do dublador (ou Seyuu) que virou a profissão desejada de muitos otakus que nasceram/cresceram nessa época.
 Fora da TV Aberta, pouco tinha mudado, os fãs ainda tinham de recorrer a VHS com áudio original que eram encontrados principalmente na Liberdade.
 A Internet como conhecemos hoje, com redes sociais, foruns e sites ainda não era uma realidade no Brasil, que iniciou esse processo tardiamente. Assim, os Otakus montavam seus próprios clubs e trocavam cartas.

(Anúncio de Fanzines)
Os fanzines também ganhavam destaque e tinham um bom espaço, uma vez que poucos mangás chegavam  em português.
(anuncio de clubs na Revista Ranma 1\2)

Os anúncios dos clubs e dos fanzines, eram feitas em publicações como a Animax e nas páginas finais de Ranma ½.

 Final dos Anos 90

(Ranma 1\2, Publicado pela Animenga)
Em 98 se deu a  aberta a livraria e Editora Animenga. Vale Ressaltar que a livraria teve um papel fundamental na divulgação da cultura japonesa pois além da publicação de mangás como Ranma ½ publicou também Dicionário Romanizado Japonês-Português e Por Dentro do Japão, um livro sobre cultura japonesa.

(propaganda da Animanga)

 Possuía ainda uma escola onde ensinava a desenhar mangás e língua japonesa.

(Convite para as exibições)

Juntamente com a Abrademi, promoveu a exibição de Animes para os fãs, com o custo de apenas R$ 3. Em dias programados eram exibidos OVAS ou episódios de animes que começavam a se tornar famosos no Brasil.
Em 1998, aconteceu a primeira convenção de Animes no Brasil, que será tratada na parte III  dessa matéria .